domingo, 25 de maio de 2008

O progresso traz benefícios para todos?

A abundância gerou a noção de que o progresso não tem limites, tudo se produz e tudo se pode deitar fora.Os empresários e os trabalhadores pretendem, na esfera da produção, lucros e salários mais elevados, mas, ao transferirem-se para o estatuto de consumidores, reclamam preços mais baixos, segurança dos produtos e serviços à sua disposição, o controlo dos mecanismos de persuasão para a venda, etc.
Esta cultura do efêmero contribuiu para a degradação ambiental: embalagens desperdiçadas, cemitérios de automóveis, rios nauseabundos, etc.
É necessário haver um consumo sustentável ou racional, que suponha muito mais do que trocar um produto prejudicial para o meio ambiente ou para os seres humanos por outro menos nocivo. Nem significa apenas selecionar os resíduos urbanos, mas sim, questionar o nosso sistema social. É necessário exigirem-se políticas que favoreçam uma real mudança no atual sistema de produção e consumo.
Ninguém duvida que as principais vítimas a sofrer com as conseqüências da grave deterioração do meio ambiente são os habitantes pobres dos países menos desenvolvidos. São os que não têm automóveis, aparelhos de ar condicionado, provavelmente nem sequer frigoríficos, ou seja, não são eles que contaminam a terra e, não obstante, é sobre eles que recai mais diretamente os efeitos das emissões do dióxido de carbono causadoras do aquecimento do planeta e do efeito de estufa.
O custo a pagar pela permanente agressão da natureza é elevado, pois se ela está ameaçada, com ela está ameaçada a própria vida humana. Até a Avaliação Ecossistêmica do Milênio feita pela ONU e divulgada em 2005,reconhece que «as atividades humanas estão a mudar fundamentalmente e, em muitos casos, de forma irreversível, a diversidade da vida no planeta».

Um comentário:

Jovens disse...

Os maiores consumidores são os adolescentes!
'Hoje em dia o maior publico-alvo de consumo são os adolescentes.
Pois seus maiores gastos são com informática,entreterimento,roupas e acessórios.
Dados do IBGE comprova que são 35 milhões de adolescentes e entre eles 2 milhões de jovens de 15 à 19 anos na classe AB os maiores consumistas.
Os jovens de hoje são independentes,antenados e vaidosos e só se interessa por itens que traduza modernidade,pois estão cada vez mais livres para escolher o que os atrai e o que querem consumir.Uma pesquisa feita pelo instituto LPSOS,afirma que 4,3 milhões de garotos e garotas de 13 a 17 anos,em nove centros urbanos,shopping e a internet são os espaços sociais mais concorridos por este publico.
Nos dias que estamos vivendo hoje,beleza e juventude são as coisas mais importantes e a moda é uma das formas de expressar essas coisas, através de uma aparência antenada com as principais tendencias.A tecnologia e a informação também é muito importante,pois são coisas que faz com que os jovens se distraia e o tempo passe mais rápido.
Por esses e outros motivos são os adolescentes que fazem a diferença no "consumo mídia"'